Editorial

tóxicos

A industrialização, sobretudo a petroquímica tem trazido muitos benefícios para a humanidade, porém o ônus também é alto, sobretudo com relação a exposição à elementos tóxicos que interferem sobre maneira nas reações enzimáticas.

Conheça esses elementos:

1. Alumínio – Não há evidências que o alumínio tenha qualquer função vital para plantas ou animais. Sua toxicidade pode causar danos ao tecido cerebral com crises convulsivas, demência, alteração da voz e Síndrome de Alzheimer.
Combatemos a intoxicação pelo alumínio com afastamento da exposição ao metal, utensílios de cozinha, água gaseificada e embalagens térmicas.

2. Arsênico – Apesar de sua péssima reputação o arsênico só é tóxico em altas dose e ingeridos de foram rápida.

3. Chumbo – Este metal, extremamente tóxico, que fica retido muito tempo no organismo, e estamos cada vez mais em contato com ele, sob a forma de fixadores de tintas, cosméticos, gasolina e diesel. A exposição crônica ao chumbo pode ocasionar cefaléia, diarréia, insônia, irritabilidade, fadiga fácil e dores abdominais.

4. Mercúrio – Como o mercúrio é amplamente utilizado na industria e agricultura, a intoxicação crônica é bastante comum. Os sintomas mais encontrados são: tremores, irritabilidade, perda do apetite, colites, anemia, alterações comportamentais e depressão.

5. Cádmio – Este elemento é raro e o homem esta exposto através do meio ambiente, em baixos níveis.
Quando em excesso atua inativando numerosos grupos enzimáticos. Pode ser encontrado nos frutos do mar, cigarro e solventes industriais.

6. Berílio – Este metal pode ser encontrado em altas concentrações nas pessoas que trabalham em fabricas de equipamentos de informática, industrias nucleares e no cigarro.

7. Níquel – O níquel é encontrado em muitos sistemas celulares em quantidades mínimas e é importante para a estabilização do DNA e RNA.

8. Antimônio – O ion antimônio é extraído do minério de ferro por aquecimento. É utilizado na industria de semicondutores, placas de acumuladores e tipografia.

9. Bário – Alguns pesquisadores consideram o bário como um elemento essencial, porém, sua função metabólica não esta bem esclarecida. As fontes naturais de bário são: o leite, a farinha de trigo e a batata. Níveis elevados de bário pode interferir com o metabolismo de cálcio e retenção de potássio.

10. Bismuto – O bismuto é encontrado nos cosméticos (batom), medicamentos anti-acidos estomacais, vidro e cerâmica. O bismuto pode deslocar o chumbo do organismo para a circulação causando os sintomas de intoxicação aguda por este metal. Os níveis altos de bismuto produz indisposição geral, mau-hálito e gengivas escuras.

11. Cobalto – Este mineral ocupa a parte central da vitamina B12 (cianocobalamina). A deficiência deste elemento ocorre quando existe diminuição da acidez gástrica, insuficiência hepática ou dieta exclusiva de vegetais. Os sintomas são os mesmos causados pela falta da vitamina B12, ou seja, perda da resistência física, anemia, perda da sensibilidade e formigamentos.

12. Estrôncio – O estrôncio e um metal similar ao cálcio. Em geral o estrôncio em níveis elevados não tem causado doenças. Sua má reputação se deve aos isótopos radioativos resultantes da fabricação de bombas nucleares.

13. Estanho
- O estanho é um metal moderadamente tóxico para os seres humanos. As principais fontes de contaminação são: amalgamas dentais, cosméticos, preservativos, revestimentos anticorrosivos e bronze.

14. Platina – Pouco se conhece da ação da platina no organismo. Atualmente tem sido utilizada com tratamento coadjuvante das neoplasias ósseas.

15. Prata – A prata pode interferir no metabolismo do cobre e do selênio. Seu excesso pode predispor a estados clínico de anemia.

16. Tálio
– Elemento radioativo usado como contraste diagnóstico nos exames médicos da chamada medicina nuclear.

17. Titânio – O excesso de titânio, muito utilizado na industria nuclear, atua inibindo a ação de enzimas hidrolíticas.

18. Tório – elemento radioativo utilizado em armamentos.

19. Urânio – elemento radioativo utilizado em armamentos e geradores de energia nas usinas termonucleares. Os elementos radioativos destroem o DNA e RNA no núcleo celular gerando defeitos no código genético responsável pelo aparecimento de Câncer.




MENOPAUSA


Medicina Prática - TUDO SOBRE MEDICINA


Saudegeriatrica.Com.Br® 2009 - 2017 - Desenvolvido por Dinamicsite