Interpretação clínica

  • Senhora de 67 anos, de origem alemã, vem ao consultório para um exame geral. Esta controlada do seu diabetes pelo endocrinologista e da hipertensão por seu cardiologista. No exame de pele figura abaixo observa-se que a pele das regiões exposta ao sol (rosto, braços e pernas) apresentam pápulas eritematosas, descativa com forma arredondadas confluentes e com bordas elevadas (figura). O diagnóstico é de ceratose actínica.

Como proceder o tratamento?

Ceratose actínica - as ceratoses actínicas são conhecidas como ceratoses solares por serem causadas pela exposição constante aos raios ultravioletas do sol. As ceratose actínicas são as lesões de pele pré-cancerosas mais comuns, afetando cerca de 60% das pessoas de pele clara com idade acima de 40 anos.

As ceratoses actínicas aparecem como lesões hiperceratóticas. Podem ter ou não uma base eritematosa. As ceratoses actínicas, em geral, são redondas ou ovais, comumente presente nas áreas mais expostas ao sol, como a face, o pescoço e os antebraços. As margens são nítidas e bem demarcadas. As lesões são firmimente aderidas à pele e são dificilmente pinçadas. Lesões equivalentes nos lábios são chamadas de queilite actínica.

A ceratose actínica é importante porque é precursora direta do carcinoma invasivo de células escamosas. Além disso, sua presença é um fator de risco para os outros cânceres de pele, o carcinoma de células basais e o melanoma. Embora a progressão para malignidade invasiva seja rara, as ceratoses actínicas são carcinomas in situ de células escamosas.

A característica histológica principal da ceratose actínica é a displasia ceratinocítica, ou maturação desordenada dos ceratócitos (figura acima).

Tratamento - Todas as formas de tratamento para a ceratose actínica são localmente destrutivas e se baseiam na reepitelização com ceratinócitos menos lesados, como os dos folículos pilogênicos, que estão inacessíveis à radiação ultravioleta.

Lesões localizadas

Crioterapia com nitrogênio líquido
-  essa terapia separa a pele lesada na junção dermoepidérmica, removendo os ceratinócitos epidérmicos anormais. A formação de bolhas e crostas que ocorre no local do tratamento se resolve em uma semana.

Lesões extensas

Para a pele com ampla área comprometida o uso tópico de 5-fluorouracil é a terapia comumente empregada. O creme é aplicado duas vezes ao dia em toda área lesada pelo sol. Após 2 ou 3 semanas as áreas lesadas se tornam vermelhas e erodidas, momento no qual a terapia deve ser descontinuada. A cicatrização ocorre ao longo de 2 a 3 semanas. Considerando-se a grave irritação que geralmente está associada a este tratamento, alguns especialistas preferem esquemas menos intenso, com aplicações menos frequentes por períodos maiores.

Descamação química, recapeamento a laser e curetagem são outras opções de tratamento.

Todo esse tipo de tratamento deve ser feito por dermatologista experiente.

Veja - Ceratose solar, ceratose actínica

Referência:

Drake LA, Ceilley RI, Cornelison RI et al - Guidelines of care for actinic keratoses J Am Dermatol 1995;32:95-98.




MENOPAUSA


Medicina Prática - TUDO SOBRE MEDICINA


Saudegeriatrica.Com.Br® 2009 - 2017 - Desenvolvido por Dinamicsite