Desidratação – cuidados e prevenções

 

 

         O verão de 2003 na Europa foi uma grande lição para todos. Lá, mais de 35 mil pessoas morreram por causa do calor. Com a chegada do verão é preciso ficar atento aos idosos. A desidratação (freqüente neste período) é a perda excessiva de água do organismo, provocando também a perda de sais minerais e orgânicos. O calor faz com que o corpo crie mecanismos de troca térmica entre a pele e o ar, mas a partir de uma certa temperatura (em torno dos 25º) o corpo começa a transpirar e, conseqüentemente, a perder mais água. A falta de ventilação, a alta umidade relativa do ar e vestuário inadequado são algumas das causas que podem levar a transpiração.

         A desidratação é uma doença grave, principalmente para crianças e idosos. Por isso, é preciso saber reconhecer os sintomas e tomar as devidas providencias. De acordo com o gerontólogo e geriatra Dr. Armando Miguel Jr os mais comuns são sede intensa, reduzida eliminação de líquidos pelas vias urinárias, boca e lábios secos, pulsação rápida e olhos secos e encovados.

         A água corresponde a cerca de dois terços do peso corpóreo, sendo que apenas 8% do total se encontram na corrente sanguínea. No entanto, apesar de ser um volume relativamente pequeno, é muito importante mantê-lo constate para o bom funcionamento do corpo.

         Para manter esse equilíbrio, os indivíduos saudáveis com função renal normal e que não transpirem muito, devem ingerir pelo mesmo um litro de líquido por dia. O ideal é que se ingira de um litro e meio a dois litros por dia para evitar a desidratação e também contra a formação de cálculos renais.

         A desidratação acontece quando a eliminação de água do corpo é maior que a sua ingestão, explica Dr. Armando. O vômito, a diarréia, o uso de diuréticos, o calor excessivo, a febre e a redução da ingestão de água por qualquer razão podem acarretar na desidratação. Doenças como o diabetes e a doença de Addison também podem levar a desidratação devido à grande perda de líquido.

         Ao tornar-se grave, a desidratação pode causar confusão mental podendo evoluir ao coma, já que as células do cérebro estão entre as mais propensas à desidratação. A pressão arterial pode cair, causando tontura ou sensação de perda iminente da consciência, podendo provocar choque e lesões graves em órgãos internos como rins, fígados e cérebro.

         O tratamento da desidratação leve pode ser feito através da simples ingestão de água natural. Bebidas isotônicas, tais como Gatorade, formuladas para repor sais minerais, podem ser tomadas para evitar a desidratação ou tratá-la. Em casos de queda de pressão arterial levando ao choque, é comum a administração intravenosa de soluções que contém cloreto de sódio. É importante tratar as causas da desidratação, além da reposição de líquido. Medicamentos podem ser administrados para interromper a diarréia, regular hormônios entre outros. Desta forma estará tratando a causa de uma doença que leva a diarréia, alerta Dr. Armando.

 

Assessoria de Imprenas

M3F Comunicação Estratégica (www.m3f.com.br)

Jornalista Responsável: Mariana Tamashiro (mariana@m3f.com.br)

Tel.: (19) 3237-8513

Entrevista na Radio Bandeirantes AM 1170 - Campinas dia 05/01/2006





Medicina Prática - TUDO SOBRE MEDICINA


Saudegeriatrica.Com.Br® 2009 - 2017 - Desenvolvido por Dinamicsite