Ponto de vista

Colaboradora : Vera Regina Tufaile Kovask *

* Enfermeira e Gerontóloga

Atendimento domiciliar

Atendimento Domiciliar

O que se espera quando pensamos ou desejamos um Atendimento Domiciliar para um paciente ou parente nosso?

Os pacientes, que até pouco tempo atrás eram tratados basicamente nos hospitais, são agora transferidos o mais rapidamente possível para seus domicílios, onde continuarão seus tratamentos, como os programas de reabilitação, de recuperação ou de cuidados paliativos.

Com o passar do tempo surgiram situações conflituosas entre os diversos atores envolvidos: o paciente, a família, os cuidadores, o provedor e o gestor de saúde, envolvendo processos decisórios difíceis.

Paradigmas

Formação médica - Há um modelo de formação médica centrado no hospital, com os recursos tecnológicos à disposição do médico, sendo este um local onde ele tende a se sentir mais familiarizado e mais seguro para atuar.

Local de atendimento
- Existe uma concepção amplamente difundida na comunidade de ser o hospital um lugar de excelência para diagnóstico e tratamento. O domicílio é um local onde o poder estabelecido pertence ao paciente ou aos membros daquela família, não sendo, portanto, território natural de atuação do profissional de saúde. Com isso, o atendimento domiciliar corre o risco de ser encarado apenas como uma mudança de local de tratamento e não como uma mudança de filosofia nos cuidados administrados.

Custos do atendimento médico
- As novas tecnologias geraram altos custos para a atenção médica e os administradores hospitalares, movidos por constantes pressões administrativas tentam otimizar as internações e reinternações, com uma maior racionalização do tempo de permanência do paciente no hospital, maior rotatividade dos leitos.

Os principais objetivos do atendimento domiciliar são: otimizar os leitos hospitalares, os atendimento ambulatorial, visando a redução de custos; e reintegrar o paciente em seu núcleo familiar e de apoio. Contudo, o foco principal é proporcionar assistência humanizada e integral, por meio de uma maior aproximação da equipe de saúde com a família; estimulando uma maior participação do paciente e de sua família no tratamento proposto.

Serviços que podem ser realizados no domicílio

Os atendimentos domiciliares vão desde cuidados pessoais de suas atividades de vida diária (higiene íntima, alimentação, banho, locomoção e vestuário), cuidados com sua medicação e realização de curativos de ferimentos, cuidados com escaras e ostomias, até o uso de alta tecnologia hospitalar como nutrição enteral/parenteral, diálise, transfusão de hemoderivados. Quimioterapia e antibioticoterapia, com serviço médico e de enfermagem 24 horas/dia, e uma rede de apoio para diagnóstico e para outras medidas terapêuticas.

Invasão da privacidade - Questionamentos

1. De que modo e quanto a experiência de um domicílio adaptado ao tratamento com alta tecnologia hospitalar irá afetar as pessoas que vivem nesse domicílio?

2. Não estaríamos invadindo e desorganizando este espaço íntimo, onde as relações cotidianas daquela família foram construídas?

3. Que tipos de acordos podem ser e são moralmente legítimos entre a equipe do atendimento domiciliar e a família, já que esta detém o poder por estar em seu território?

4. Há pacientes que preferem ficar e serem cuidados num ambiente hospitalar e dever-se-ia, portanto, respeitar este desejo, principalmente quando a doença está em curso avançado, com deterioração física?

Acreditamos que, pelo menos em parte, os conflitos nos atendimentos domiciliares poderiam ser minimizadas se os médicos que assistem aos pacientes tivessem por hábito conversar abertamente com os pacientes sobre suas expectativas de vida, sobre a morte e sobre um uso razoável de tecnologia no domicílio, ajudando-os na melhor escolha possível para sua qualidade de vida.

Papel de um gestor do programa de atendimento domiciliar

Considerando-se que uma ampla equipe multi e inter disciplinar composta de pelo menos, um psicólogo, assistente social, nutricionista, enfermeiro, médico e técnico de enfermagem, atuarão na atenção ao enfermo, um gestor da equipe deverá fornecer uma visão e a manutenção de uma negociação e esclarecimento da família e do paciente, durante todo o processo. Pois este atendimento deverá ser consentido e não imposto.

Referências:
www.scielo.br
www.federativo.bndes.gov.br
www.cassi.com.br (PAD-Programa de Atenção Domiciliar).





Medicina Prática - TUDO SOBRE MEDICINA


Saudegeriatrica.Com.Br® 2009 - 2017 - Desenvolvido por Dinamicsite