A tensão permanente dos músculos recebe a denominação de Tono Muscular. Esta atividade contrátil tem por finalidade manter a atitude geral do corpo nas diversas posições que sua atividade lhe impõe (tono postural) e durante a execução de um movimento (tono de ação ou de acompanhamento).

O tono postural e o de ação dependem essencialmente de mecanismos reflexo, sendo o reflexo miotático a base do tono muscular. O arco do reflexo miotático é o mais breve de todos porque não apresenta neurônios internunciais, limitando-se à via aferente que conduz o estímulo até a coluna vertebral pela raiz superior e nervo periférico, e se dirige ao músculo. O estímulo adequado para a obtenção do reflexo é o estiramento muscular.

Sobre o arco reflexo miotático atuam centros supra-segmentares que podem agir como facilitadores ou inibidores da contração reflexa tônica, cujas ações produzem a hipertonia ou a hipotonia. A lesão das estruturas inibidoras faz predominar a ação das facilitadoras sobre o arco reflexo miotático gerando um estado de hipertonia, ao passo que surgirão hipotonias sempre que ocorrer lesão nas estruturas faciitadoras e predomínio das estruturas inibidoras.

O sistema inibidor é constituído pelas áreas supressoras corticais (área 4S, área 6), por alguns núcleos da base (paleostriado e substância negra), pelo cerebelo (paleocerebelo) e pela formação bulborreticular inibidora (localizada na região ventromedial). Os impulsos são enviados para a medula por intermédio do trato reticulospinal inibidor que ocupa o funículo lateral. O sistema facilitador é constituido pelo neostriado (conjunto putâmico-caudado), pelo núcleo vestibular lateral de Deiters, pelo neocerebelo, pela formacão reticular do diencéfalo, mesencéfalo, ponte e pela formação bulborreticular facilitadora (localizada na região dorsolateral). Estas estruturas enviam impulsos para a medula através de vários tratos descendentes.

Hipertonia

A hipertonia interessa a todos os grupos musculares, agonistas e antagonistas, flexores e extensores, apresentando contudo certa predileção para os músculos do tronco, pesocço e raízes dos membros. Dessa forma há exagero, sobretudo, do tono de repouso e de postura.

A hipertonia pode estar relacionada às lesões piramidais e extrapiramidais. A hipertonia piramidal (espasticidade), é observada frequentemente nas hemiplegias conseqüentes a acidentes vasculares cerebrais, na esclerose lateral amiotrófica, na esclerose em placa, nas mielites e compressões medulares. A hipertonia ou rigidez extrapiramidal, observada nas afecções que acometem o conjunto nigropalidal (síndromes parkinsonianas, degeneração hepatolenticular), caracteriza-se por ser global e plástica.

A hipertonia pode se manifestar de forma transitória ou permanente, em numerosos distúrbios médicos, como arigidez de descerebração, a rigidez de decorticação, a rigidez dos ateroscleróticos e dos estados lacunares, as crises tônicas cerebelares, as contraturas observadas nos processos irritativos meníngeos, no tétano.

Essa classificação tradicional das vias motoras em dois grupos: o sistema piramidal e o sistema extrapiramidal, é pouco útil para compreender a função das dias descendentes, tornando-se obsoleta com os estudos do neuroanatomista holandês Henricus Kuypers, na década de 60, que conseguiu relacionar de forma lógica as vias descendentes e suas origens com as principais funções motoras. A classificação morfofuncional de Kuypers, que separa as vias descendentes em: sistema lateral - encarregado dos movimentos finos das extremidades, do sistema medial - responsável pelos movimentos de ajuste postural do tronco, está substituindo esta antiga classificação. (Veja mais na página do 12/julho/2008)

Hipotonia

A interrupção do arco reflexo espinal determina a abolição do tono muscular.A hipotonia pode ser causada pelas mononeuropatias, polineuropatias, polirradiculoneurites, polimielite anterio aguda, amiotrofia espinal progressiva (doença de Werdnig-Hoffamann), distrofia muscular progressiva.

Tabes dorsalis - Na tabes dorsalis ocorre uma lesão radicular posterior, em que há comprometimento dasensibilidades proprioceptiva, a hipotonia é global e muito acentuada (flacidez, hiperextensibilidade e hiperpassividade).

Coréia de Sydenham - A coréia de Sydenham é uma síndrome extrapiramidal, que apresenta formas clínicas com acentuada hipotonia muscular, chamada coréia mole.

Sistema vestibulocerebelar - Os distúrbios funcionais do sistema vestibulocerebelar (sistema do equilíbrio) podem se acompanhar de hipotonia homolateral, por deficiência dos influxos facilitadores vestibulospinais.

Referência:

Sanvito WL - Propedêutica neurológica básica. Editora Atheneu, São Paulo. 2002.




MENOPAUSA


Medicina Prática - TUDO SOBRE MEDICINA


Saudegeriatrica.Com.Br® 2009 - 2017 - Desenvolvido por Dinamicsite