Resenha

Síndrome da Apnéia/Hipopnéia Obstrutiva do Sono em Idosos

Colaboradora: Astrid de Arruda Celidonio Florentino *

* Enfermeira e pós-graduanda do curso Saúde e Medicina Geriátrica da Metrocamp

Síndrome da Apnéia/Hipopnéia Obstrutiva do Sono (SAHOS)

A definição da Academia Americana de Medicina do Sono (AAMS) para a SAHOS, refere  que é caracterizada por episódios recorrentes de obstrução parcial ou total das vias aéreas superiores durante o sono. Manifesta-se como uma redução (hipopnéia) ou cessação completa (apnéia) do fluxo aéreo, apesar da manutenção dos esforços inspiratórios. A falta de uma ventilação adequada resulta em dessaturação da oxi-hemoglobina e casos de eventos prolongados, em hipercapnia, terminando com os despertares que levam à fragmentação do sono por serem freqüentes. Acredita-se que dentre os sintomas diurnos, a sonolência excessiva, relaciona-se com a fragmentação do sono e também com a hipoxemia recorrente.

No período inicial da apnéia, pode haver ausência do esforço respiratório seguido de um aumento gradual do esforço contra uma via aérea superior ocluída. Estes eventos denominam-se de Apnéias Mistas e estão fisiopatologicamente relacionados às Apnéias Obstrutivas, sendo considerados como parte da SAHOS (AAMS, 1999).

A Polissonografia Assistida é o padrão ouro para o diagnóstico desta Síndrome, a SAHOS, que é classificada como leve, moderada e grave de acordo com os índices de apnéia e hipopnéia (IAH) por hora de sono.

Apnéia Leve: O paciente apresenta entre 5 a 15 IAH/hora; a sonolência diurna ou episódios de sono involuntários ocorrem durante atividades que requerem pouca atenção. Ex. assistir à televisão, ler, andar em veículo como passageiro.

Apnéia Moderada: Apresenta entre 15 a 30 IAH/hora, os sintomas produzem discreta alteração da função social ou ocupacional, os episódios de sono ocorrem durante atividades que requerem alguma atenção. Ex.assistir a eventos sociais.

Apnéia Grave: Apresenta acima de 30 IAH/hora; a sonolência diurna ou os episódios de sono voluntário ocorrem em atividades que requerem maior atenção. Ex. comer, dirigir, conversar,

Tratamento - O principal tratamento da SAHOS foi empregado por Sullivan em 1981 e consiste no emprego da Pressão Aérea Positiva pelo CPAP (continous positive airway pressure), aplicada nas vias aéreas superiores por intermédio de uma máscara nasal, impedindo o colabamento da faringe.

Atualmente tem sido a modalidade terapêutica de escolha para a SAHOS moderada ou grave.

Outro achado relevante na SAHOS, é sua maior prevalência em indivíduos de meia idade e do sexo masculino. Incide de 7 a 10 vezes mais que nas mulheres. Em geral, a sintomatologia na mulher pode ser diferente, pois a fadiga predomina sobre a sonolência e são mais resistentes à forma grave da SAHOS.
Um dos principais fatores de risco para a SAHOS é a obesidade, mas existiam dúvidas se as alterações neuroendócrinas encontradas em pacientes com SAHOS, eram somente conseqüências da obesidade. Hoje, cada vez mais,se evidência que a SAHOS contribui para o desenvolvimento de doenças neuroendócrinas e cardiovasculares.

Referências:

Tufik, S. Medicina e Biologia do Sono;  Instituto do sono SP:cap.20-26; pag.240-305: ed. Manole, 2008

I CONSENSO BRASILEIRO DE RONCO E APNEIA DO SONO,2000. In:Sociedade Brasileira do Sono.[on line]

Alfredo, C. Neto, L. T. Consulta Geib; Sono e Envelhecimento. Ver. Psiquiatria. RS, 25(3):453-465, set/dez.2003





Medicina Prática - TUDO SOBRE MEDICINA


Saudegeriatrica.Com.Br® 2009 - 2017 - Desenvolvido por Dinamicsite