O shoshin beriberi é a forma perniciosa da cardiopatia beribérica que apresenta-se inicialmente como insuficiência cardíaca de difícil controle e evolui com choque, cianose cutânea, ácidose de difícil correção, devido aos distúrbios do metabolismo dos carbohidratos, e insuficiência renal com oligúria progressiva e desfecho sempre fatal.

A cardiopatia beribérica resulta de um estado nutricional cronicamente deficiente, principalmente de vitamina B1 (tiamina), ficando mais grave nos casos de alcoólatras que também apresentam cardiomiopatia alcoólica.

Apesar do distúrbio metabólico glicídico, o miocárdio mantém produção energética normal, às custas da utilização preferencial dos ácidos graxos, resultando num quadro hemodinâmico que se caracteriza por baixa resistência vascular periférica total, com vasodilatação esplâncnica e muscular associada a vasoconstricção cutânea e renal. Este importante quadro hiperdinâmico resultante da diminuição da resistência vascular periférica, não interfere na contrátilidade miocárdica, promove valores extremamente altos de débito cardíaco, apesar do aumento do diâmetro das câmaras cardíacas. Na forma perniciosa da doença o quadro cardiológico e extremamente grave, e a administração parenteral de tiamina é imperiosa.

O ecocardiograma é o melhor método para o diagnóstico e acompanhamento da cardiopatia, pois até o exame histológico é inespecífico.

O tratamento básico se faz com nutrientes, tiamina, diuréticos e digitálicos. A regressão do quadro é rápida.

Referência

Velloso LCG, Barreto ACP - Beriberi cardíaco. Arq Bras Cardiol,1991;56(3):235-7.





Medicina Prática - TUDO SOBRE MEDICINA


Saudegeriatrica.Com.Br® 2009 - 2017 - Desenvolvido por Dinamicsite