Batista, Renato Eduardo Poncio 1

 


Os exercícios são a parte mais divertida da terapia do diabetes. Pense no quanto"divertido" é espetar a si mesmo com uma agulha ou um lanceta, tomar pílulas, ou ter que mudar sua dieta, provalmente suprimindo algumas das suas comidas favoritas. Compare tudo isto com algo que também é importante para sua saúde como um jogo de tênis, uma noite dançante, um passeio de bicicleta, uma caminhada, ou uma refrescante natação. Absolutamente sem discussão. Toda e qualquer atividade física é de grande valia para o diabético. A maioria dos efeitos diretos da atividade física ocorre porque o exercício normaliza a glicose sangüínea, diminuindo a resistência de insulina periférica e melhorando a sensibilidade a ela. Vários estudos mostram que indivíduos fisicamente ativos têm menos probabilidade de desenvolver diabetes do que indivíduos fisicamente inativos.

 

O efeito da atividade física parece ser devido à adaptação metabólica do músculo esquelético, como conseqüência, a captação de glicose é incrementada, independentemente de alterações na concentração de insulina circulante.

 

Em adição à redução aguda da glicemia e ao aumento da sensibilidade à insulina, o exercício regular melhora vários dos fatores de risco reconhecidos de doenças cardiovasculares, como melhora do perfil lipídico (diminuição LDL-Colesterol, aumento do HDL-Colesterol e diminuição do triglicérides) e da hipertensão arterial, e indivíduos diabéticos têm um maior risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares.

 

A prática regular de exercícios físicos pode acarretar uma diminuição da dosagem de insulina, e sua importância é fundamental nas terapias onde se objetiva uma menor dosagem de insulina a ser administrada pelo paciente insulino-dependente.

 

Os benefícios cardiovasculares e metabólicos do exercício são sustentados somente como resultado da soma dos efeitos das sessões de treinamento ou como resultado de mudanças, em longo prazo, na composição corporal e outo grande benfício da atividade física ergular é seu efeito sobre a composição corporal, através do aumento do gasto de energia auxiliando a redução de peso, o aumento da perda de gordura e a preservação da massa magra.

 

Aproximadamente 60% das pessoas com diabetes do tipo 2 são obesas no momento do diagnóstico. A atividade física parece prevenir o diabetes tipo 2 não apenas diminuindo a adiposidade, mas também afetando a resistência à insulina e a tolerância à glicose.

 

 

1. Professor de Educação Física

Aluno do Curso de Pós Graduação em Saúde e Medicina Geriátrica

Faculdades Integradas Metropolitanas de Campinas-Metrocamp

 

Referência:

 

Tema apresentado em "Painel" no II Simpósio de Fisioterapia da Metrocamp, 23-25 de novembro 2005




MENOPAUSA


Medicina Prática - TUDO SOBRE MEDICINA


Saudegeriatrica.Com.Br® 2009 - 2017 - Desenvolvido por Dinamicsite